Estaria o catolicismo voltando a ganhar força na estética da moda? Há 1700 anos a igreja católica influencia o mundo fashion que vira e mexe traz de volta coleções com itens que fazem referência à igreja. John Galliano, Coco Chanel e Cristóbal Balenciaga são alguns dos nomes mais famosos que já tiveram produções relacionadas à estética religiosa, que leva fios bordados de ouro, pedras preciosas, cruzes, e muito mais.

Recentemente, o Metropolitan Museum of Art (popularmente conhecido como o MET) lançou sua exposição de moda que fica aberta até o dia 8 de outubro, que conta com 40 peças religiosas, ao lado de vestimentas de grandes nomes da indústria da moda. O próprio Andrew Bolton, curador da exposição, conta “alguns podem considerar a moda como um meio impróprio ou inconveniente para se envolver com ideias sobre o sagrado ou o divino, mas o vestuário é fundamental para qualquer discussão sobre religião. Ela afirma lealdades religiosas e, por extensão, afirma as diferenças religiosas”.

Assim, como de se esperar aconteceu o Met Gala, para a abertura da exposição, e o tema? Corpos Celestes: Moda e a Imaginação Católica. Com isso vimos diversas marcas como Versace, Dior, Nina Ricci e outros se jogando na temática e produzindo peças icônicas que levam referências da religião.

Jeremy Scott e Cardi B vestiram Moschino no Met Gala 2018

Entretanto, quando imaginávamos que as referências estavam guardadas apenas para a cidade de Nova Iorque chega Alessandro Michele e nos mostra o contrário! Em sua coleção resort, que foi apresentada em Alyscamps Arles, no sul da França, ele trouxe diversas referências religiosas e mostra que esta estética realmente veio para ficar.

Acredita-se que é possível que a influência da religião volte a dominar a moda, então fica o questionamento: Será que a estética realmente vai voltar? Vamos aguardar para ver!

Share: